sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Démodé

Sites de relacionamento como Orkut, Facebook, Twitter, além do Messenger e Skype foram criados para facilitar a comunicação entre as pessoas, conectá-las ao redor do mundo. Assim que surgiu o Orkut, que pegou de forma gigantesca no Brasil, eu tratei de fazer minha conta, colocar minhas fotos, achar amigos e comunidades e aprender a mexer no site, que era novo por aqui no início dos anos 2000. Foi o máximo quando encontrei uma amiga de infância que se mudou há muitos anos para outra cidade, pulei de alegria ao reencontrar a amiga da praia que não via desde criança.

E assim, fui empolgando com o esquema, colocando mais e mais fotos, muitas palavras e frases chamativas no perfil e somando mais e mais amigos. Até que um dia uma pessoa pede para ser minha amiga no Orkut, e é a minha mãe. Pronto. O Orkut dominara o mundo, ou pelo menos o Brasil. Meus amigos de estágio, faculdade, academia, balada, todos estavam no site, foi uma alegria só reencontrá-los naquele espaço.

Porém, quando tomar chimarrão com a Rafa foi substituído por alguns recados no Orkut com a mesma, quando conversar com a Lilian pelo Messenger no lugar de bater papo no Parque Farroupilha com ela, quando comecei a encontrar a Laís apenas no Messenger, comecei a perceber que a internet estava me afastando de amigos, principalmente os que moravam na mesma cidade que eu. Além disso, lembrei do que minha mãe dissera durante suas primeiras acessadas no Orkut: “Tudo me pareceu tão falso”.

Nos álbuns das pessoas, se via apenas elas felizes em viagens, em momentos românticos com seus maridos ou esposas, arrasando nas baladas, etc. Por que não colocavam fotos quando a maquiagem já estava borrada no final da festa, ou a foto do salto do sapato que quebrou no casamento da prima. Ou ainda, a foto no dia que acordou cheia de olheiras? O pior foi perceber que mesmo contabilizando mais de 800 amigos no Orkut e 200 no Messenger, eu me sentia, muitas vezes, sozinha. Quem vai naquele show de rock comigo esta noite? O pneu do carro furou, qual dos meus amigos do Orkut poderá me ajudar? Estou angustiada com a prova da faculdade de amanhã, algum amigo do Messenger pode fazer um cafuné?

Não, porque eles estão muito ocupados pensando numa frase de impacto para seus perfis no Orkut, ou ainda, o que escrever ao lado de seus nomes no Messenger. Enquanto apenas quero o démodé abraço real – não aqueles dos bonequinhos animados do Orkut -, uma agradável companhia para tomar um sorvete ou ouvir uma boa e sonora risada de um amigo por perto.

Um comentário:

Lilian disse...

Adoreiii amiga!!! Lembro da nossa conversa sobre esse assunto sim, pena que agora que nos demos conta disso, tu estas tao longe!!
E tao perto tb. Amooo. Muitos beijos!!