segunda-feira, 4 de junho de 2007

Inimiga



Abro os olhos, estou na cama, embaixo de dois super edredons e um lençol já aquecido pelas horas de sono.

Olho para o teto e a persiana do quarto e fecho os olhos. Durmo mais uma hora. Acordo de novo, pego o relógio na mesinha ao lado. São 11h da manhã. Mas ela não me deixa levantar.

Tenho que levantar, mas ela é mais forte que eu. Ela diz: "Fica aí , lá fora faz 5 graus". Eu digo: Mas eu preciso levantar, tenho pouco tempo. Ela não me ouve: "Aproveite o momento, não está bom nesta cama"?

Eu ajeito o travesseiro e fecho os olhos novamente. Agora são 13h, abro os olhos, já não agüento mais estar deitada. Eu quero levantar, fazer o que tem que ser feito, a rotina diária. Mas ela é envolvente, convincente, impertinente...

Levanto e falo: "Sai, Preguiça, preciso trabalhar"!

2 comentários:

Matheus disse...

hhahahahaha li o post do jornalista do brique da redenção...

hoje mesmo estava pensando
"devia ter feito jornalismo, ia me dar melhor. ser uma espécie de ilze scamparini, só que gay e mais bem vestido, é claro."

mas depois daquele post acho que vou continuar a persistir na publicidade...

Priscila Alves disse...

Amigo, continua na publicidade. Hahahahahha. Menos um concorrente né! Tô brincando...mas acho que tu tem a ver com PP. E dizem que PP é quem manda, Jornalista trabalha e RP serve o cafezinho. Dizem né! É melhor não arriscar. Bjocas jornalísticas.