domingo, 10 de junho de 2007

Nem tudo mudou


O texto a seguir escrevi há um tempo atrás, achei ele aqui no "Meus Documentos" e resolvi compartilhar com vocês. Boa leitura!


Com o passar do tempo tudo muda ao nosso redor, o século XXI está começando e suas portas estão sendo abertas com sensores, não mais com cadeados pesados. O que dita a estética, a ética, as ideologias transformou-se e, mesmo que confusos, aderimos aos parâmetros que melhor se adecúam à nossa personalidade. Mas tem algo que independe dos novos conceitos e nunca sai de moda: o amor. Este sentimento é universal, seja em 1500 ou 2004, ele sempre existirá. Amar nos faz transformar-nos, acabar com o nosso egoísmo e muda a realidade – se bem que os amantes parecem viver num mundo irreal. Uma vez um amigo me disse: “Tenha os pés no chão, mas não tão no chão”. Eu não entendia, mas agora compreendo.

Amar é como estivéssemos flutuando e tudo fica mais bonito, qualquer coisa que nos falam torna-se mais profunda, os filmes ficam mais emocionantes, as canções mais divertidas. E o novo século trouxe outras possibilidades e formas de amar, como o namoro virtual. Ama-se de verdade, embora que de uma maneira diferente. Conhece-se muito bem o amado, mas não se pode tocar nele; os carinhos somente vêm por meio de palavras. Mas é amor também, porque este não tem medida, nem regras e nem limite (nem mesmo o geográfico). É o amor alternativo.

Os artistas costumam fazer um troca-troca de amores. O “caliente” casal Tom Cruise e Penélope Cruz não estão mais juntos. E assim, muitas outras histórias parecidas acontecem. Diversos pares bonitos se desfazem. Aparecem juntos numa revista e, de repente, surgem separados noutra. E assim por diante, pois “a fila anda” !

Mesmo que mais liberado, mais diversificado, mais rápido, mais urgente, o amor está em qualquer lugar, basta buscá-lo e cultivá-lo. Sua existência perpetua para nós podermos sentir o sabor doce que a vida tem. Mas não o doce de uma fruta cheia de agrotóxicos deste século, e sim, o doce do mel – tão vigoroso e antigo quanto o sentimento de amar.

O badalado casal Tom Cruise e Penélope Cruz acabaram, mas ela saiu ganhando no final. Imagina se ela tivesse se casado com ele? Seu nome por inteiro simplesmente pareceria um susto: Penélope Cruz Cruise!!!! Haja carinho para carregar esse sobrenome por toda a vida.

2 comentários:

Matheus disse...

Matheus Pitt ou,

Matt Pitt.

é, Matt Pitt é total meu nome depois que eu juntar os trapos com meu futuro marido....


AMIGA EU TO QUASE ME FORMANDO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Priscila Alves disse...

Heheheehehe, tá e o Alan? Não vai ficar com ciúmes?????
Mat, tu vai se formar em gabinete né? Se tiver festança dos Capoani me avisa,hein!
Eu tô estagiando no jornal O Sul!lembrei de ti, é tri puxado lá,mas ao mesmo tempo tô aprendendo bastante. E no final do ano me formo. Bjs