segunda-feira, 5 de março de 2007

Vizinhos


Sempre morei em apartamento, (ou apertamento?) e foram muitos os vizinhos que conheci até então. O Augusto do andar debaixo era um porco. Aparentava 25 anos, cabelo loiro e enrolado, alto e fisionomia grosseira, minha empregada reclamava dele, pois dava arrotos em alto volume enquanto ela preparava o almoço para a gente. Ela sempre falava mal do guri, passando a impressão de que sua casa devia ser feia, com meias e cuecas por cima de abajures e cheiro de murrinha.


Ricardo era uns 2 anos mais novo que eu. Ele era filho da síndica, a Juca. A Juca era simpática, gente fina, o marido dela também, o Wilson. Ambos discretos, porém educados. O caçula tinha cara de ser o mais tinhoso. Às vezes eu chegava em casa e a mãe ou a Pan não estavam, daí eu batia no apartamento da Juca para ligar para tentar achá-las. E ela sempre abria a porta com um sorriso no rosto, jeito de síndica mesmo. Aquele tipo de pessoas que todos gostam, gente simples, quieta e de bem com a vida.

No último andar morava a Laurinha e o Mauro, ambos mais novos que eu. Os pais deles eram separados e eles moravam com a mãe e a avó. O pai era grandão, bonitão e meio loucão. Mas Laurinha e Mauro eram gente fina. Eles apertavam a minha campainha e corriam quando eu abria a porta. O pai deles às vezes ia visitá-los em nosso prédio. Uma vez passei por ele com uma caixa de bis, ele ficou olhando fixo para a minha caixa de bis. A mãe e a avó da Laurinha e do Mauro eram queridas, muitas vezes quando eu precisava ligar para alguém e a Juca não estava em seu apt, eu subia mais escadas e batia na casa delas.

Teve um época que uma família de árabes morou no mesmo andar de Augusto. Eles não se misturavam muito. Era um casal e seus dois filhos adolescentes que nunca brincavam lá na garagem com a gurizada. Uma vez eles chamaram um vizinho que era médico para socorrer o filho dos árabes que tinha grudado o olho com super-bonder. Depois não soube notícias.

Na frente do apartamento do Augusto morou uma mulher loira de uns 55 anos que ficava tirando pêlos do queixo com uma pinça no corredor do prédio. Ela deixava a porta de seu apt entreaberta e segurava um espelho na mão, bem concentrada. Ninguém que passasse no corredor atrapalhava seu momento de vaidade.

Teve uma época que um casal atormentava eu e minha irmã com boleros durante todo o final de semana. O refrão de um deles era: " Ai, ai amor..." Um dia, eu já adolescente, resolvi subir até o último andar pedir que baixassem a música. Minha irmã não acreditou que eu faria aquilo, mas fui até o apt deles e acho que acabei atrapalhando o romance. Eles demoraram muito para abrir a porta e quando o fizeram, percebi que tinha mesmo atrapalhado. Os dois estavam amarrotados e sem jeito.

Mesmo que fosse para encher o saco , minha relação com meus antigos vizinhos era mais presente. Hoje em dia meu relacionamento limita-se a dar "oi" aos porteiros. Cumprimento também uma velhinha que cuida o dia inteiro da neta. Hoje, jogando fora uma bolsa que não quero mais, pensei se talvez uma vizinha ia querer ficar com ela. Os jornais que leio e depois descarto poderiam ser repassados para os vizinhos se eu tivesse mais contato. Mas este ritmo de cidade grande e o jeito individualista que levamos, faz a gente esquecer que vizinhos podem ser atuantes, nem que seja para servir de personagens de um blog.

7 comentários:

DeLaRocha disse...

Não te preocupa.... No final, SambaNoiado acabou saindo. Foi apenas uma reflexão noiada. Beijão!!!

Matheus disse...

hahahahaha eu odeio vizinhos! lembra do meu, que bateu lá em casa pedindo pra cuidar de certas coisas? ahahahahaha que vergonhaaaaaaa

mas só vc mesmo pra ir empatar a foda do vizinho hahahahaha

amiga tá um puta calorão aqui, definitivamente a melhor época pra vir pra cá é agora, depois do carnaval.... (se bem que a cidade esvaziou então não sei se tu ia gostar de jurerê vazia!!) :P

Priscila Alves disse...

Hehehheehhe, amigooooooo, como eu queria estar ai. Agora tenho que enfrentar o final da facul, mononografia!!!!!!!Uiiii

Priscila Alves disse...

Matheus, e teu vizinhos se acalmou?!?!Bjão

Matheus disse...

acalmou nada, tão sempre brigando!! hauhauhau

Matheus disse...

ah!!!! pedi demissão :) cansei!!!
dia 20 de maio vou ir pra poa :)

Priscila Alves disse...

Ebaaaaa, sabe que pode contar comigo aqui. Me avisa quando estiver vindo. Vamos sair certo!!Bj